Contra – Reforma   Leave a comment

Caríssimos:

Dando continuidade a discussão da temática da religiosidade que ja estamos levando, e já prevendo que amanhã o texto de John Bossy, que comentei na aula passada, estará disponível no xerox, posto agora um outro, de Michael Mullet. É um livrinho sobre a Contra-Reforma. A bem da verdade, era uma xerox que possuía e que, em estado avançado de deterioração, digitei antes que se perdesse. Transformei em pdf. Por ser uma cópia do português de Portugal, a tradução pode soar curiosa em alguns trechos. Mas fica, a nivel de informação e de curiosidade.

MICHAEL MULLET

Anúncios

Publicado 4 de novembro de 2010 por profpedrouerj em livro

Os textos ontem prometidos   Leave a comment

Caríssimos:

Conforme falei ontem, eis aqui diversos textos que surgiram na imprensa, na rebarba da discussão do Estatuto da Igualdade Racial, onde os debates a respeito de racismo e reparação aos danos da escravidão espocaram (e ainda contniuam rolando). Servem pra termos uma idéia do quanto nossa mentalidade ainda gira em torno daquela que era característica do Brasil colonial.

Cotas e democracia – edson santos

Dia da consciência individual – rodrigo constantino

DNA do racismo – editorial

O fim do apartheid – serys slhessarenko

O teto das cotas – Luiz Garcia

Reparação – ze roberto

Publicado 30 de outubro de 2010 por profpedrouerj em textos auxiliares de avaliação

Multimérdia   Leave a comment

Caríssimos:

 

A multimérdia sempre nos apronta as surpresas mais desagradáveis. Especialmente quando você se mata fazendo uma apresentação que esteja razoável (e ainda assim, tosca). Mas não há de ser nada.

Para aqueles que possuem o Office 2010, onde ela foi feita, poderão baixa-la e assisti-la aqui:

 

apresentação brasil II

 

Como porém, ninguém é obrigado a ter o Office 2010 instalado, de repente pode abri-la numa versão anterior:

 

apresentação brasil II

Publicado 30 de outubro de 2010 por profpedrouerj em Não categorizado

meu mestrado   Leave a comment

Carissimos:

Palavra empenhada é palavra cumprida, inda que de madrugada. Eis aqui, como disse a vocês na aula de ontem, o meu mestrado.  Formatado na tosqueira mesmo, coisa de gente tonta com o computador, mas que se compromete a melhorar forma e aparência. Boa leitura.

TESE._1_

Publicado 29 de outubro de 2010 por profpedrouerj em Não categorizado

mais documentos holandeses   Leave a comment

O povo não tirava os olhos do Nordeste, nem tampouco parava de oferece-lo aos holandeses (com uma riqueza de detalhes que eles, provavelmente, estariam cansados de saber, inclusive com mais detalhes). Mas serve para ilustrar, direitinho, como era difícil manter uma colônia:

Discurso sobre a tomada de Pernambuco

Publicado 2 de outubro de 2010 por profpedrouerj em Não categorizado

Nordeste Holandês   Leave a comment

Carissimos:

Como sou pessoa de palavra, estou enviando aqui os textos sobre o Nordeste Holandês que prometi ontem. O primeiro deles fala, justamente, sobre a viabilidade da conquista do Nordeste:

Vantagens do Brasil

Já o segundo foi mencionado ontem, em sala. É justamente o documento da capitulação da Paraíba, que delimitou, a partir dele, o novo “pacto colonial” entre holandeses e os brasileiros.

Documentos do Brasil holandês

Publicado 10 de setembro de 2010 por profpedrouerj em Não categorizado

GÂNDAVO   Leave a comment

Carissimos:

Conforme vamos discutindo aulas afora, eis aqui mais umas fontes importantes. Agora, estamos tratando do primeiro livro de história do brasil stritu sensu, escrito por Pero de Magalhães Gândavo, a “História da província de Santa Cruz a que vulgamente se chama Brasil”. Tem tudo a ver com o que temos discutido, a respeito da importância da afirmação de um projeto de Estado no Novo Mundo. Por isso, então, introduzindo a discussão, um texto rápido e rasteiro de minha autoria

HISTÓRIA DA PROVÍNCIA DE SANTA CRUZ A QUE VULGARMENTE CHAMAMOS BRASIL ligeira apresentação

E, em seguida, o texto em si. Achei, nesse momento, de melhor tom, trabalhar com a descrição que Gândavo faz do processo colonizador, tal qual vinha ocorrendo na metade do século XVI. Mas vale a pena ligarmos aos detalhes desse outro processo, mais amplo, que discutimos nas aulas anteriores.

Capítulo 3 GANDAVO Capítulo 13 GANDAVO

Publicado 1 de setembro de 2010 por profpedrouerj em Não categorizado